quarta-feira, 13 de junho de 2012

PARABÉNS EMEI PEDACINHO DO CÉU PELOS SEUS 21 ANOS
Durante a semana de 04 a 08 de junho comemoramos o aniversário da nossa escola com atividades diversificadas: quebra-cabeça montado pelas famílias, brinquedos confeccionados para presentiar a escola, brincadeiras, hora do conto e torta de bolacha. Foi uma semana de reflexão sobre a importância da escola para os alunos e as famílias e muita diversão nos espaços da escola!!













sexta-feira, 1 de junho de 2012

 
A UNIÃO FAZ A FORÇA!
O êxito do trabalho em equipe depende da cooperação e da participação de todos, independente da função ou da relevância da tarefa.
O trabalho em equipe foi o tema da reunião geral da Escola Pedacinho do Céu, na última terça-feira, dia 22 de maio. A psicóloga Débora, a nutricionista Irmgard e o professor de Educação Física Luís realizaram atividades reflexivas, lúdicas e recreativas com os profissionais.
Foi um momento muito especial, promovendo a união do grupo.




 



 







segunda-feira, 14 de maio de 2012

COMEMORAÇÃO AO DIA DA EDUCAÇÃO...
Equipe gestora da EMEI Pedacinho do Céu realiza uma bela homenagem aos alunos e funcionários.

video

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

Proposta pedagógica ou projeto político pedagógico é o plano orientador das ações da instituição e define as metas que se pretende para a aprendizagem e o desenvolvimento das crianças que nela são educados e cuidados. É elaborado num processo coletivo, com a participação da direção, dos professores e da comunidade escolar.

A IMPORTÂNCIA DAS REUNIÕES PEDAGÓGICAS PARA EMEI PEDACINHO DO CÉU

 AS REUNIÕES PEDAGÓGICAS SÃO MOMENTOS DE ESTUDO, REFLEXÃO E OPORTUNIDADE DE PENSAR A PRÁTICA PEDAGÓGICA NUM MOMENTO COLETIVO!





quarta-feira, 2 de maio de 2012

ABERTURA DO ANO LETIVO DA EMEI PEDACINHO DO CÉU

Preparamos uma bela recepção para os funcionários na chácara Spengler na localidade de Joaneta em Picada Café.
Recepcionamos os funcionários com a música Bem vindos a nossa casa trilha do filme Irmãos Urso, após a chegada de todos tomamos um café e convidamos a assistirem uma apresentação organizada pela equipe gestora Os três porquinhos.
Depois da dramatização dividimos os funcionários em grupos de trabalho paa então refletirmos sobre as relações pedagógicas e inter-pessoais de palha, de madeira e de tijolos. Foi uma manhã produtiva e de interação junto a natureza.
A psicóloga Debora norteou o trabalho e desenvolveu junto ao grupo uma dinâmica que permitiu refletir sobre as atitudes que ocorrem na história dramatizada.

OBJETIVO GERAL
•       Fazer uma análise, a partir de uma leitura psicanalítica da história
dos 2 porquinhos, avaliando o que são ações pedagógicas frágeis
(palha), inconsistentes (madeira) e consistentes e com
intencionalidade (tijolos).  Seguindo a lógica que os dois primeiros
porquinhos seguiram o princípio do prazer e o terceiro o princípio da
realidade.
1.      INTRODUÇÃO
Segundo Salvatore (1995), o conto de fadas, devido à potência especial
de sua linguagem poética, cria o seu próprio universo autônomo em
relação ao mundo em que vive o autor, com seus seres ficcionais, seu
ambiente imaginário, seu código ideológico, sua própria verdade:
pessoas metamorfoseadas em animais, animais que falam a linguagem
humana, tapetes voadores, cidades fantásticas, amores incríveis,
situações paradoxais, sentimentos contraditórios, etc.
Ainda segundo ele, essa realidade nova, criada pela ficção poética,
não deixa de ter, porém, uma relação significativa com o real
objetivo. Ninguém pode criar a partir do nada: as estruturas
lingüísticas, sociais e ideológicas fornecem ao artista o material
sobre o qual ele constrói o seu mundo de imaginação.
Sendo assim, o papel da literatura na vida social é de plurifuncionalidade:
•       função estética (arte da palavra e expressão do belo),
•       função lúdica (provocar prazer),
•       função cognitiva (forma de conhecimento de uma realidade objetiva ou
psicológica),
•       função catártica (exposição de sentimentos);
•       função pragmática (pregação de uma ideologia, ajuda a pensar –).
•        “A poesia desses contos, nascida dos mais fortes e primários
sentimentos gerais, é a que mais fala e desperta a sensibilidade das
crianças” (GÓES, 1991: 118).
Acredita-se que, para as crianças, esses contos têm um valor especial.
Através de sua estrutura, onde se encontram personagens, sentimentos,
valores e desafios, que correspondem às exigências infantis, ele
possibilita à criança digerir suas manifestações mais arcaicas. Seu
caráter simbólico permite-lhe utilizar essa forma literária conforme
sua necessidade, pois se trata de uma obra aberta à subjetividade e
que oferece de modo simplificado novas dimensões à imaginação da
criança, sendo passível de um leque de possibilidades interpretativas.
Como disse Bettelheim (1986: 20-21), nos contos de fadas como sucede
com toda grande obra de arte, o significado mais profundo do conto de
fadas será diferente para a mesma pessoa em vários momentos de sua
vida.
2.      ENCENAÇÃO HISTÓRIA 3 PORQUINHOS
3.      ANÁLISE PSICANALÍTICA
(Referencial: A Psicanálise dos contos de fadas. Bruno Bettelheim.)
O conto Os Três Porquinhos enfrenta a escolha entre seguir o princípio
do prazer ou o princípio da realidade na vida.
OS TRÊS PORQUINHOS gozam tanto da predileção das crianças que já foi
transformado no Brasil, em cartilha de alfabetização.
Esta estória conta, simbolicamente, o PROGRESSO feito pelos seres
humanos ao longo da sua História.
* A primeira casa construída pelo primeiro porquinho é uma choça de
palha muito desajeitada.
*O segundo porquinho já construiu a sua casa trabalhando mais
evolutivamente com pedaços de madeira e
*A terceira casa é uma casa de tijolos mais caprichada, mais segura e
confortável.
O símbolo da vida sob o domínio do PRINCÍPIO DO PRAZER está sendo
demonstrado aí, os dois primeiros porquinhos simplificaram as suas
tarefas para:
* poderem folgar mais depressa;
* poderem ter gratificação imediata sem muito trabalho.
O futuro para os dois primeiros porquinhos, era longínquo e nele não
cabiam realidades desagradáveis.
OBS.: Mas, houve um certo desenvolvimento demonstrado pelo porquinho do meio.
O terceiro porquinho o mais velho, já aprendeu a viver com mais com O
PRINCÍPIO DA REALIDADE, ele não vai brincar antes de construir
seguramente a sua realidade presente prevendo mais tranqüilidade e
segurança no futuro.
É interessante observarmos que o terceiro porquinho não encontrou uma
solução mágica como uma varinha ou um encanto, ele conseguiu a vitória
por mérito próprio, resultado de seu próprio trabalho.
*ID: representa os impulsos e desejos mais primitivos do ser humano.
*SUPEREGO: normas e valores convencionais da sociedade.
*EGO: processo psíquicos através dos quais analisamos a realidade.
          Este porquinho até já consegue adivinhar o pensamento do
lobo mau e qual seria o seu comportamento se encontrasse facilidade em
penetrar na sua casa.
O LOBO é o seu inimigo e encarna o estrangeiro "de dentro", que irá
tentar seduzi-lo e faze-lo cair na sua armadilha. O terceiro porquinho
se mostra capaz de prever as ações e de derrotar inimigos mais fortes
do que ele. O lobo feroz é a encarnação dos poderes não sociais,
inconscientes, devoradores contra os quais devemos nos proteger e
derrotar com a força do nosso ego.
Além disso, a história mostra os benefícios de amadurecer, já que o
terceiro e mais inteligente dos porquinhos é também o irmão mais
velho. Os porquinhos mais novos buscam gratificação imediata,
preferindo construir casas mais simples e de maneira mais rápida para
terem mais tempo para brincar. Apenas o mais velho dos três é capaz de
adiar seus desejos imediatos, utilizando sua habilidade de prever o
que pode acontecer no futuro.
"Então o porquinho pôs-se a trabalhar. Carregou todo o material para o
lugar escolhido e construi sua casinha com todo o cuidado. Depois, fez
um lindo jardinzinho cheio de flores perfumadas e coloridas. Quando
tudo estava pronto, parou na estrada admirando sua obra: era a mais
linda casinha já vista naquelas redondezas."´
Além disso, o trecho citado demonstra o carinho com que construiu não
apenas uma casa, mas um lar, enfeitando com flores coloridas o local.
            Há uma observação quanto á demonstração da previdência de
um FUTURO tranqüilo explicitada nas ações do porquinho mais velho. Ele
já fez o seu estoque de comida que guardou dentro do seus domínios,
portanto, quando o lobo tentou seduzi-lo com a perspectiva de comida
farta e deliciosa, FORA DE CASA, refestelado em sua poltrona o
terceiro porquinho não cede.
O Lobo se prepara para matá-lo, mas a astúcia do dono da terceira casa
o atrai para a chaminé e quem acaba como estoque de carne, para o
porquinho, é o lobo mau caindo da chaminé, direto, para a panela de
água fervente. A criança sentirá que uma justiça retribuidora foi
feita: o lobo que devorou os seus dois incautos irmãos anteriormente,
terminou os seus dias como banquete e estoque da sua despensa.
OS TRÊS PORQUINHOS,  traz  a identificação dela própria com todos os
três porquinhos, que são "pequenos" como as crianças mais jovens e
imaturos como ela própria, há também o fator do reconhecimento da
criança de que, através de cada um dos porquinhos com os quais se
identificou, houve uma progressão da sua identidade.

4.      RELACIONAR COM AS AÇÕES PEDAGÓGICAS E INTER-RELACIONAIS NO AMBIENTE ESCOLAR
•       AÇÕS PEDAGÓGICAS = EDUCAR = Brincar + cuidar + estimular + relacionar.
•       RELAÇÃO FAMILIA ESCOLA
•       VINCULO PROFESSOR E ALUNO
•       RELAÇÕES INTER-PESSOAIS DE TRABALHO
5.      ATIVIDADE EM GRUPOS (GRUPOS DE 5 PESSOAS)
Cada grupo irá pensar para as diferentes situações que ocorrem no
espaço escolar ações que são de PALHA, MADEIRA e de TIJOLOS!
Após fazer análise:
•       Ação pedagógica no BRINCAR, CUIDAR e ESTIMULAR com/as criança;
•       Ação pedagógica com a FAMILIA dos alunos;
•       Ação relacional com o colega de turma;
•       Ação relacional com o aluno.
6.      MENSAGEM = RAZÃO E EMOÇÃO
 UNIR OS DOIS É O PROCESSO PSÍQUICO DO TERCEIRO PORQUINHO! (colocou
flores no pátio = transformou a casa em lar)